Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O bom aficionado

castella.jpg

Ser aficionado tauromáquico quer dizer mais do que estar interessado em presenciar uma tourada.

Quer dizer ter um sentimento especial por todo o ambiente relacionado com o toiro bravo, com os toureiros e demais intervenientes na tourada ou “corrida de toiros”, como muitos gostam mais de a chamar.

Como a tauromaquia não é uma ciência exacta, os aficionados em geral poderão ter pontos de vista diferentes, não só pela sua cultura taurina mas também porque o entendimento e modo de ver a mesma “faena”, de observar a lide em ângulos diferentes da praça poderá provocar diferentes opiniões. Opiniões que muitas vezes são corrigidas depois de se verem filmes e fotos de uma lide que foi presenciada na praça de toiros.

Assim, poderemos considerar que aficionado está acima de espectador e que “bom aficionado” está mais além do que aficionado. Direi, ainda mais acima.

Poderá dizer-se que o “bom aficionado” é aquele que vê com atenção este seu espectáculo preferido, o que vê muitas corridas de toiros e em diversas praças, que conhece o vocabulário taurino e que sabe estar mais silencioso do que opinativo quando sentado a observar a lide. Enfim, o que se contém sem estar dando recados desnecessários para o toureiro ou forcado que não o pode ouvir e para os outros que no mesmo sector estão sentados a seu lado e que gostariam de assistir ao espectáculo sem serem incomodados com pretensas teorias mais ou menos pedantes e convencidas.

O “bom aficionado” chega com facilidade à conclusão que sabe pouco e considera com apreço todo aquele que serenamente se coloca em frente de um toiro.

O “bom aficionado” não deixa de olhar o toiro durante toda a corrida e considera que tudo tem a ver com a sua bravura, maior ou menor. Com as dificuldades que este apresenta ao lidador e como essas dificuldades são superadas com arte e valentia.

Os conhecimentos do “bom aficionado” são adquiridos ao longo da vida, com muitas conversas de tertúlia, com leituras de crónicas e criticas das corridas a que assistiu. Com leituras e meditação dos textos de livros taurinos, independentemente de concordar ou não com os autores.

O “bom aficionado” deve ler e reflectir no que leu. Ler com atenção.

O “bom aficionado” chega facilmente à conclusão que sabe pouco. Muito pouco.

 

 

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D