Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Os bons costumes

Corrida de Gala Ant.Portuguesa.jpg

Têm as tauromaquias diversas tradições que têm sido mantidas nas arenas ao longo dos anos, tanto na corrida de toiros ao uso de Espanha como na corrida à portuguesa.

Digamos que é um espectáculo onde essas tradições gerais são mantidas com grande apreço pelos intervenientes, não obstante haver algumas diferenças de índole regional ou local dependendo de Praça para Praça, como em Las Ventas em Madrid, onde não se ouve música durante as lides.

Alguns exemplos das tradições de Portugal se podem aqui referir, como é o caso de se ouvirem os acordes do Hino da Maria da Fonte antes do começo do espectáculo; nas cortesias entrarem oito moços de forcado de cada grupo e os cavaleiros fazerem os “quartos” para saudarem o público; o grupo de forcados mais antigo pegar o primeiro toiro; a pega de caras ser executada por oito elementos do grupo de forcados, etc. São costumes que não precisam estar no Regulamento Tauromáquico.

Quando dos agradecimentos também é uma tradição habitual o forcado dar a direita ao cavaleiro e a volta ser efectuada no sentido dos ponteiros do relógio (no México, essa volta é no sentido inverso).

Nessas voltas de agradecimento é um uso tradicional o cavaleiro ser acompanhado pelos elementos da sua “quadrilha” e esses peões de brega irem cobertos com as “monteras”. Tal não aconteceu na Corrida de Gala à Antiga Portuguesa que se realizou em 13 de Outubro de 2016 na Praça de Toiros do Campo Pequeno, quando o cavaleiro Miguel Moura deu a volta de agradecimento e os seus peões de brega João Ganhão e Benito Moura, desconhecendo as regras, foram descobertos.

O peão de brega só se deve descobrir se tiver uma chamada especial. Aí os aplausos do público são para ele. Não foi o caso.

Será bom que todos os intervenientes da Festa não desconheçam os bons costumes.

É uma questão de cultura taurina.

É uma questão de saber estar. De ética taurina.

Uma palavra final a dois elementos do Grupo de Forcados Amadores de Lisboa, Manuel Guerreiro e João Lucas, que tanto deram à Festa Portuguesa e que se despediram nesta corrida. Para eles, que tão bem honraram a jaqueta de forcado amador e sempre souberam estar nas arenas, o nosso especial agradecimento.

Tourada de Gala-C.Peq.2016.jpg

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D