Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Viva o toiro!

A lide dos toiros a pé, ao uso de Espanha, divide-se em três partes distintas que se chamam “tercios”. Sendo o primeiro o “toureio de capote e a sorte de varas; o segundo a “sorte de bandarilhas” e o terceiro – provavelmente o mais exigente – o “toureio de muleta e a sorte de matar”.

Se para os toureiros há prémios relacionados com a qualidade da lide, sendo-lhes concedidas a orelha ou orelhas do toiro e a volta à arena, para o ganadero é importante que algum dos seus toiros seja aplaudido durante o arraste, em volta lenta à arena. Ou, o mais glorioso dos prémios, o indulto do toiro que lhe permite a sua devolução ao campo e a sua utilização como semental.

Porém, é frequente a presença de aficionados nas praças que raramente concordam com a concessão de troféus e que não aplaudem seja o que for, que gostariam que só fossem atribuídas orelhas em casos de excepcional lide e que o indulto fosse praticamente impossível de conceder.

São os aficionados super exigentes, nunca satisfeitos com o que estão a ver e saudosos do que dizem ter visto em tempos mais ou menos remotos.

Se um crítico taurino “deve ser um aficionado rigorosamente silencioso”, como disse Gregorio Corrochano, já o aficionado normal não terá que ser assim porque, se assim fosse o espectáculo dos toiros mais pareceria um velório, uma câmara-ardente.

Por isso mesmo, os espectadores vibram de emoção, aplaudem, pedem as orelhas dos toiros como troféus para os matadores, tal como aconteceu ontem em Valencia, no último festejo da “Feria de Fallas” de 2017.

O último toiro da corrida de Domingo Hernández, “Pasmoso” de nome e com 532 Kg. e que foi lidado por López Simón foi indultado a pedido do público.

O público satisfeito com a bravura do toiro pediu o indulto. O Presidente da Corrida concedeu.

Concordo com o empresário Simón Casas: “Nesta arte concedemos a vida eterna aos toiros bravos.” Para mal agrado dos super exigentes que acham que o “Pasmoso” foi “desafortunadamente indultado”, fez e não fez qualquer coisa e já deveria estar morto!

Viva a Festa! Viva o toiro!

Toiro Pasmoso indultado em Valência.png

 

"Pasmoso" - toiro indultado em Valencia.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D