Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Veca (1926-2011)

Veca.jpg

Dia de São Martinho e São Martinho na Golegã para Manuel Sabino Nunes Duarte era mais do que um compromisso e durante muitos anos a sua figura a cavalo foi um ex-líbris daquela Feira tão ribatejana.

Veca – como era conhecido pelos amigos – Ribatejano, do Pombalinho, uma aldeia que não era menos portuguesa do que a Azinhaga, como ele dizia. Uma de Santarém e outra de Golegã. Assim foi, mas deixou de ser e as duas agora pertencem, e bem, ao concelho da Golegã.

Nestas noites de Feira de São Martinho quando pela madrugada e quando começa a haver silêncio na Golegã mas ainda cheira a castanhas assadas, naquele Largo do Arneiro já escurecido e com as luzes apagadas passará certamente o espírito do Veca, a cavalo certamente, com o seu garbo característico, olhando lá de cima, com aquele seu sorriso de quem está bem com os seus amigos, com todos e com tudo.

Veca marcou presença com grande dignidade em muitas Feiras de São Martinho e a sua imagem a cavalo do Largo do Arneiro permanecerá durante muito tempo e dificilmente aparecerá na Golegã e em qualquer São Martinho uma figura tão carismática, tão castiça, tão genuinamente portuguesa.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Tertúlia Tauromáquica Eborense – Jantar de Novembro de 2019

Tert.Eborense 5.11.2019.JPG

Num comentário que há dias vi na internet de uma anti-taurina, animalista e vegetariana, certamente generosa para o seu cãozinho de colo mas descontente com uma mensagem taurina colocada nas redes sociais por um dos meus Amigos, argumentava ela, entre outras ideias, que a tauromaquia estava condenada na Ibéria e no sul de França, a prazo relativamente curto, porque teria ouvido dizer que os ganaderos de bravo perdem sempre dinheiro e que portanto com a sua falência e desaparecimento regular não seriam substituídos nessa função. Era ou parecia ser a sua vã esperança no afundamento da tauromaquia e consequentemente a extinção do gado bravo.

Se por absurdo – e só por absurdo – essa generosa defensora dos animais tivesse estado presente no jantar de Novembro de 2019 da Tertúlia Tauromáquica Eborense, que se realizou ontem e como habitualmente na Pousada dos Loios, talvez mudasse de opinião depois de ouvir Álvaro Núñez Benjumea.

Na verdade este o convidado de honra da Tertúlia e foi um encanto ver e ouvir o entusiasmo como descreveu a sua ligação à ganadaria Núñez del Cubillo, iniciada por seu pai Joaquín Núnez del Cuvillho, e agora o começo de uma nova ganadaria em terras de Portugal em São Marcos de Ataboeira, no concelho de Castro Verde, onde vive com a sua família e já começou a aprender o português.

A paixão como fala de tudo o que se relaciona com a preparação desta sua nova ganadaria, com um detalhe toureiro só possível aos mestres taurinos, tudo indica que será mais um criador de toiros com todos os critérios necessários para o sucesso e seguramente um benefício para a tauromaquia em geral e para a criação do bravo em Portugal.

Foi, na verdade, um belo jantar de tertúlia e uma agradável conversa relacionada com tudo o que exactamente os aficionados gostam de ouvir, comentar e aprender.

E eis como a Tertúlia Tauromáquica Eborense teve a honra de receber e conhecer este GANADERO.

Olé Álvaro Núñez Benjumea!

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Emblema da Tertúlia Tauromáquica Eborense.png

 

Dia de Finados

Évora - 20 de Setembro de 1964.png

Na Praça de Toiros de Évora em 20 de Setembro de 1964, quatro elementos fundadores do Grupo de Forcados Amadores de Évora: João Nunes Patinhas, Manuel Ramos de Figueiredo, Dom João Mário de Saldanha e João Bonneville Franco, que infelizmente já não estão entre nós, tal como Joaquim Manuel Goucha, Joaquim Serrão Fialho e António Oleiro Maltez.

Aqui faz-se referência aos fundadores mas naturalmente que esta recordação de saudade é extensiva a todos os outros que também envergaram a jaqueta do Grupo de Forcados Amadores de Évora e que infelizmente já faleceram.

No começo de Novembro é habitual uma invocação aos familiares que já partiram e o Grupo de Évora é, também, uma grande família.

Descansem em paz.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

 

Emblema do Grupo de Forcados Amadores de Évora.jp

 

Que falta faz…

Pega de caras-Mercado Santarém.jpg

Que falta faz…

Acerca da pega, Ramalho Ortigão disse e escreveu que admirava os moços de forcado desta singular forma:

“É por esse Ribatejo fora, às corridas de Alhandra, de Vila Franca, de Samora Correia, de Salvaterra de Magos, que irei mais este verão, de jaleca ao ombro, faca no bolso e melancia debaixo do braço, refazer-me da nacionalidade, de força, de literatura e de poesia, na sagrada tradição da minha terra.”

Hoje quando a moda é falar-se de globalização – ordenada pelas multinacionais que mandam nos governos – e onde a invocação do nacionalismo parece ser o antídoto das políticas correntes internacionalistas e, portanto, algo que não está de acordo com o politicamente correcto, acrescido da quase proibição ao povo de invocar as sua tradições culturais.

Que falta faz agora e por cá quem como a “Ramalhal Figura” reclame a nacionalidade e a sagrada tradição na nossa terra. Que falta faz quem perceba que o estar sereno em frente de um toiro só eleva a coragem e a determinação da nossa raça.

Que falta faz quem, como ele, volte a dizer:

“Eu como humilde intérprete do povo só uma coisa oponho: é que má raios partam o zelo tísico de tanto maricas, de tanto chochinha, de tanto lambisgóia!”

Que falta faz quem mande e entenda a nossa cultura.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

 

Ramalho Ortigão.jpg

José Duarte Ramalho Ortigão (1836-1915)

 

 

No Cartaxo – 1 de Novembro

Cartaz Cartaxo 1.11.2019.jpg

Durante muitas épocas as temporadas tauromáquicas iniciavam-se do Domingo de Páscoa na Praça Monumental do Campo Pequeno e encerravam no dia 1 de Novembro na castiça Praça de Toiros do Cartaxo.

Nas tertúlias, museus taurinos e nas colecções de diversos aficionados isso se pode verificar facilmente e confirmar em que anos se realizaram essas corridas.

Já o cartaz que anuncia a próxima corrida do primeiro de Novembro na Praça do Cartaxo foi preparado por quem não tem essa sensibilidade e ao ano não diz nada.

A corrida de toiros é uma Festa especial e os cartazes deveriam ser elaborados por quem entenda o que está a fazer e não devem ser feitos com a mesma ligeireza de quem faz um folheto para uma promoção qualquer de um supermercado.

Assim, se alguém guardar o programa desta próxima corrida não se deve esquecer de acrescentar o ano.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

A resposta do Provedor da RTP

Cortesias -C.Pequeno 10.10.2019.png

Depois da Corrida à Antiga Portuguesa que se realizou na Praça de Toiros do Campo Pequeno enviei para a RTP a seguinte mensagem por ter realizado a transmissão:

Quero felicitar a RTP1 pela transmissão de ontem da corrida de toiros à antiga portuguesa da Praça do Campo Pequeno.
Neste tipo de transmissões - apesar de muito poucas - a RTP tem a oportunidade de fazer chegar a muitos locais distantes da capital um espectáculo que é do agrado da maioria dos portugueses e que faz parte da sua cultura popular. Há diversas tauromaquias mas a portuguesa tem no forcado um ex-libris do nosso país e a RTP, como canal de televisão nacional, deveria ter isso em atenção e transmitir mais espectáculos taurinos.
Aproveito para enviar os meus cumprimentos ao Senhor Provedor e que são extensivos a todo o Pessoal que fez esta reportagem da Praça de Toiros do Campo Pequeno.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Recebi do Provedor a seguinte informação caracterizada pela sua opinião pessoal de tendência anti-taurina e que não reflecte necessariamente a opinião dos telespectadores porque as audiências do canal público sobem, e muito, cada vez que a RTP faz transmissões das corridas de toiros:

Exmo Senhor Manuel Peralta Godinho e Cunha,
Agradeço a sua mensagem.
Como saberá a RTP passou a emitir as touradas depois das 22h30, para colocar tais transmissões fora do período em que a Lei da Televisão proíbe a emissão de programas que podem ferir a sensibilidade de públicos infantis e juvenis.
Apesar de ser um espetáculo com boa recetividade por parte do público da RTP estou em crer que , pelo menos no formato em que existem, as touradas deixarão, em breve, de fazer parte da programação RTP.
m/cumprimentos,
Jorge Wemans
Provedor do Telespetador"

Uma definição da “sorte”

Picador-penumbra.png

No “Diccionário Ilustrado de Términos Taurinos” de Luis Nieto Manjón, escritor e crítico taurino, define-se a “sorte” como “a acção do toureio que, valendo-se do engano como a capa, muleta ou mesmo o corpo, faz com que o toiro passe próximo dele e engana a rês”.

Não se pode aceitar, completamente, esta definição porque não é integralmente verdadeira para o caso espanhol no que se refere ao picador e também no caso português no que se refere ao forcado.

O picador na sorte de varas cita e recebe o toiro parado, não tendo o toiro mais do que se arrancar em linha recta e meter a cabeça a direito.

Na pega de caras, quando bem executada, o forcado marca os tempos do toureio durante o cite: manda, pára e templa. Mas, na pega de caras, não há engano para que o toiro passe próximo. O forcado ao fechar-se tem o toiro nos seus braços, no peito, junto ao coração.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Campo Pequeno-Ant. Torres.png

 

 

Uma pega singular

Livro Praças de Santarém.jpg

A pega realizada em 21 de Junho de 1980 por esse grande forcado que se chama Joaquim Pedro Torres – dos Amadores de Santarém – ficou perpetuada na capa deste livro editado pela Santa Casa da Misericórdia em Outubro de 2000 e o autor ainda recorda a ovação extraordinária que todo o público da Monumental Celestino Graça lhe concedeu quando executou com arte e valor essa inesquecível pega de cernelha.

Foi uma pega de cernelha singular. Singular por ser raro só um forcado pegar um toiro; singular por tal nunca antes ter acontecido na Praça Monumental de Santarém; singular por dificilmente voltar a acontecer.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Santa Casa da Misericordia.png

 

 

 

Nuno Casquinha no jantar da Tertúlia Tauromáquica Eborense

Tert.Eborense 7.10,2019.JPG

As dificuldades de ser toureiro a pé em Portugal são enormes e quem persistir nessa ilusão e conseguir tirar a alternativa de “matador de toiros” facilmente chega à conclusão que não poderá exercer essa profissão no seu país. Não, porque é proibida a estocada em Portugal; não, porque as oportunidades de se lidarem toiros a pé neste país são diminutas.

Há Espanha aqui ao lado, França um pouco mais distante, mas as oportunidades nesses países são poucas, muito poucas, para um estrangeiro. Em Espanha – o país do toureio a pé – as primeiras oportunidades são para os espanhóis e as segundas também. São algumas dezenas de jovens que saem anualmente das escolas de toureio em Espanha e é natural que essas ocasiões taurinas sejam para os naturais do país. Poucas oportunidades, porque em Espanha não há um número de novilhadas suficientes para por a funcionar todos esses alunos das escolas de toureio.

Depois em Espanha um toureiro estrangeiro terá muitas dificuldades de actuar, a não ser que apareça com a imagem de “figura”. “Figuras” no toureio são poucas, além de ter que haver um singular equilíbrio entre os factores “Valor toureiro/Apoderado/Empresas”.

Uma das hipóteses de alguém que nestas condições queira progredir nesta arte será, talvez, tentar a sua sorte na América, nos países onde a Festa Brava tem alguma expressão como o México, Colômbia, Peru, etc. e foi essa a opção que Nuno Casquinha tomou em consideração e já há uns anos reside na República de Peru, onde tem tido a sua base de evolução artística não obstante o afastamento familiar, dos seus amigos, de um esforço enorme e sacrificado de viver num país longínquo e com outra cultura, onde se adaptou e gosta de estar, mas tendo sempre em mente poder actuar com regularidade em Espanha, a pátria do toureio a pé e onde todos os “diestros” gostariam de triunfar.

E foi o matador de toiros Nuno Casquinha o convidado de honra no jantar de Outubro de 2019 da Tertúlia Tauromáquica Eborense que como habitualmente se realizou na Pousada dos Loios em Évora, desta vez com a ausência justificada do cuidador Nico Mexia de Almeida, mas com Zeca Pereira fazendo a sua substituição na apresentação do convidado.

Como habitualmente foi um agradável jantar de tertúlia.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

 

Um cartaz incompleto

Cartaz-Alcácer do Sal 5.10.2019.png

Há cartazes tauromáquicos mais importantes do que outros porque se referem a corridas de toiros de interesse especial tais como são as comemorativas de datas; de alternativas de toureiros; de homenagem a Chefes de Estado e outras personalidades; de beneficência; de despedidas de toureiros, cabos de forcados, etc.

Esses cartazes são guardados com grande cuidado por aficionados e coleccionadores e muitos são emoldurados e expostos em tertúlias e outros locais visitados por quem gosta de motivos taurinos.

Isto a propósito do Grupo de Forcados Amadores de Montemor comemorar este ano o 80º aniversário da sua Fundação.

Na realidade em 4 de Setembro de 1939 realizou-se um festejo taurino em Montemor-o-Novo, com garraios oferecidos pelo ganadero António Teixeira, de Coruche. A receita da bilheteira foi a favor do Asilo Montemorense de Infância Desvalida e actuaram dois Grupos de Forcados Amadores, um de Évora, comandado por António Vaz Freire e outro de Montemor comandado por Simão Malta.

Esse Grupo de Évora só reapareceu em 1942 e por pouco tempo – cerca de três épocas – mas Simão Malta continuou com o Grupo de Montemor sob o seu comando, tendo ocupado no historial da tauromaquia uma posição de relevo, actuando nas principais praças de toiros e dignificando a figura do forcado amador até 12 de Setembro de 1949.

Assim, no ano do 80º. aniversário da sua Fundação, vai o Grupo de Forcados Amadores de Montemor – comandado por António Vacas de Carvalho – comemorar numa corrida que se realizará no dia 5 de Outubro de 2019 em Alcácer do Sal. Corrida com 8 toiros da ganadaria de Jorge Mendes.

Este é um dos cartazes que muitos aficionados querem certamente guardar e provavelmente alguns serão emoldurados. Mas para se entender em que ano foi realizada esta corrida comemorativa terá que se acrescentar à mão o ano de 2019, porque a empresa da Praça de Alcácer do Sal não teve esse cuidado.

Na realidade não é só um cartaz comemorativo dos 80 anos da fundação do Grupo de Montemor. É também um cartaz onde se assinala que um Grupo de Forcados Amadores irá pegar 8 toiros 8, o que por si só e nos dias de hoje é mais do que um caso raro, por ser um caso raríssimo.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D