Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Contrastes

Há enormes contrastes quando um matador de toiros toureia em Espanha ou em Portugal.

Aqui em Portugal o matador pode lidar toiros em público mas no final da lide não pode executar a sorte suprema, portanto não mata o toiro e se o fizer é preso e multado, como aconteceu com Manuel dos Santos em 1951.

Ali ao lado, em Espanha, o matador será preso e paga uma multa se se recusar a matar o toiro.

Assim e por absurdo, o mesmo matador será preso na Praça de Elvas se matar o toiro e também vai para a cadeia se se recusar a matar na Praça de Badajoz. A distância entre as duas cidades é muito pequena mas a regulamentação é enorme.

Vem isto a propósito de uma efeméride de 25 de Maio de 1967 na Praça de Madrid, quando Curro Romero se recusou a matar o sobrero da ganadaria de Cortijoliva por ter considerado que o toiro já teria sido toureado. Curro foi detido por ordem do Presidente da Corrida e conduzido ao posto da Dirección General de Seguridad onde passou a noite e posto em liberdade no dia seguinte para poder tourear uma corrida da ganadaria de Benítez Cubero alternando com Diego Puerta e Paco Camino.

Curro Romero foi e é um mito da tauromaquia de Sevilha, da tauromaquia de Espanha. É dele a frase “tenho o medo mais sereno do mundo”.

Todos têm medo, Curro Romero tinha também muito. Um medo que era ultrapassado pela sua arte. Uma arte de aroma, como só possível aos grandes artistas.

Enorme também nas doações. Nesse mesmo ano de 1967 toureou 33 corridas e numa delas, a de 21 de Setembro, saiu em Madrid para lidar sozinho os toiros de Urquijo e em beneficio da Luta contra o Cancro, porém alem do contratado ofereceu também a lide do sobrero, tendo lidado sete toiros nessa tarde.

Teve uma longa vida de matador e pisou as arenas consecutivamente desde 1954 a 1999 tendo estoqueado mais de 1600 toiros. Foi colhido com gravidade em Algeciras, La Línea e Zafra em 1962; em Palma de Maiorca em 1963; em Almería em 1965: em Madrid em 1968; em Málaga em 1972; em Puerto de Santa María em 1982 e em Aranjuez em 1989.

Em diversas ocasiões foi-lhe reconhecido o mérito toureiro e em Abril de 2018 Curro Romero recebeu o Prémio da Cultura da Universidade de Sevilha numa cerimónia onde estiveram o reitor da Universidade, o alcaide de Sevilha e o testemunho dos matadores: Pepe Luis Vásquez, Espartaco, Diego Urdiales, Dávila Miura, Manuel Escribano e Pedro Chicote.

Tauromaquia é cultura.

 

Curro Romero- Prémio da Cultura-Universidade Sevi

 Curro Romero - Prémio da Cultura da Universidade de Sevilha

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D