Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O regime de excepção

Barrancos.png

As Festas de Nossa Senhora da Conceição realizam-se, como habitualmente, neste mês de Agosto em Barrancos e nos dias 29, 30 e 31 – sempre às 18 horas – os festejos tauromáquicos, neste ano com a presença de matador Morante de la Puebla na tarde do dia 29 e com reses de Parladé.

Na realidade estes festejos não são à portuguesa nem à espanhola, não existe sorte de varas mas, no entanto, é uma festa taurina com mais afinidades a Espanha do que a Portugal, porque as lides são a pé e não a cavalo, há estocadas e não há pegas.

A vila de Barrancos é um caso especial da tauromaquia portuguesa e agora mais esquecida pelas televisões desde que tem um “regime de excepção para a sorte de matar”. A legalidade afastou a notícia.

As manifestações anti-taurinas, mais ou menos anedóticas, que por lá se fizeram durante alguns anos, são em termos jornalísticos semelhantes ao “terceiro segredo de Fátima” que toda a curiosa comunicação social queria saber o conteúdo, muito falado antes e completamente esquecido depois.

Ao ter sido aprovado o “regime de excepção” que consente os “toiros de morte” naquela localidade, ficamos com a dúvida se tal foi bom para Barrancos porque falava-se muito mais das Festas; ia lá mais gente motivada pelas diversas notícias; ganhava o comércio local; traziam-se entretidos os animalistas anti-taurinos, que para fazerem aquelas manifestações sempre tinham que sair de Lisboa, de excursão, e apanhar o bom ar puro do Alentejo e quando regressassem a casa até poderiam parecer mais coradinhos e felizes, sem aquele ar taciturno de quem anda todos os dias debaixo da terra nas viagens de metropolitano e todos juntos poderiam aproveitar para comerem umas tapas, beberem um “tinto de verano” e depois uma “cafezada com churros”…enfim fazerem-se homenzinhos e mulherezinhas aproveitando o cheiro a Feira e não andarem com aquela pesada angústia a pensar que não podem comer presunto por alguém lhes ter dito que uma alimentação à base de alfaces é muito importante para prevenções indigestas. Teorias…por isso têm aquele mau aspecto, um aspecto enfezado e raquítico.

Barrancos perdeu com o tal “regime de excepção” que retirou as rádios e televisões com notícias em directo, o atropelo dos jornalistas, as capas dos jornais, aquela gente que vinha de Lisboa dizer aos barranquenhos o que deviam fazer, os verdes e de outras cores que também apareciam por lá zangados, os do bloco sempre do contra, os do partido dos animais, agora com representação parlamentar e suporte democrático poderiam dizer coisas lá na Assembleia. Toda essa gente que, no caso, estava não ao lado mas contra o povo, mas que dava movimento à terra, com entrevistadores e entrevistados a dizerem coisas sem nexo. Muita gente que com o “regime de excepção” deixou de aparecer…

Para onde foram?

Barrancos - 2018.png

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D