Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Cristina Cifuentes - Uma aficionada

Brinde de Manuel escrivano.jpg

Madrid - Feira de Santo Isidro 2016 – Corrida da Imprensa

O matador Manuel Escribano brindou ontem a faena de um dos seus toiros a Cristina Cifuentes Cuencas, presidente da “Comunidad de Madrid”.

Depois a presidente foi entrevistada pelo Canal Toros e fez uma bela defesa à tauromaquia que foi transmitida em directo para todo o mundo taurino.

Assim se defende uma arte que faz parte da cultura ibérica e proporciona efeitos positivos na economia espanhola.

Nem todos os políticos têm essa coragem. Muitos têm medo de perder os votos dos anti-taurinos. Porém fazem mal as contas, porque os aficionados e os que gostam de assistir ao espectáculo de toiros são em número muito superior.

Os que brandam e gritam em bicos dos pés e que desejam a extinção das touradas, aflitos pelo sangue derramado pelos toiros, terão as suas razões, não obstante poucos deles saberem do que falam – porque nunca assistiram a uma corrida de toiros – e quase sempre estão indiferentes à aflição dos humanos ao seu lado, carenciados, doentes e pobres e muito mais desinteressados pelas crianças feridas, mal tratadas e abandonadas vítimas dos diversos conflitos mundiais.

Tal como se lamentou este mês o Papa Francisco, preocupado com “os que só sentem compaixão pelos animais e indiferença pelo vizinho”.

Cristina Cifuentes.jpg

 

 

Indulto

cobradiezmos.jpg

No toureio a pé, depois de terminar a faena, chega a hora da verdade, a “suerte de matar” – a sorte suprema – que é o culminar da lide e decisiva para atribuir os troféus ao lidador.

Porém, quando o toiro manifestou uma bravura excepcional durante a lide pode acontecer o público pedir o indulto da morte, acenando com lenços. Quando tal acontece em maioria e a faena foi boa, o director da corrida poderá conceder o indulto, fazendo sinal para a arena com um lenço de cor de laranja.

Nas praças de toiros de 1ª. não é muito frequente o indulto porque é utilizado um critério muito exigente.

A actual Praça de Toiros de Sevilha – La Real Maestranza de Caballería – foi construída em 1881 e até Abril de 2016 só teve 3 indultos:

  • 12 de Outubro de 1965 – “Laborioso”, o novilho do marquês de Albaserrada, lidado pelo novilheiro Rafael Astola.
  • 30 de Maio de 2011 – “Arrojado”, o toiro de Núnez del Cuvillo, lidado pelo matador José María Manzanares (José María Dols Samper)
  • 13 de Abril de 2016 – “Cobradiezmos”, toiro de Victorino Martín, lidado pelo matador Manuel Escribano.

Provavelmente o INDULTO é o momento mais emocionante que acontece numa praça de toiros.

Manuel Escribano - 13.04.2016 - Sevilla.jpg

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D