Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Partebilhas

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

O conteúdo deste blogue é da responsabilidade de MANUEL PERALTA GODINHO E CUNHA e pode ser reproduzido noutros sítios que não pertençam ao autor porque o importante é a divulgação da tauromaquia.

Bandarilhar a duas mãos

Luís Rouxinol-Par de bandarilhas.png

Luís Rouxinol

 

Há quem incorrectamente desvalorize a colocação do par de bandarilhas no toureio a cavalo.

A primeira regra na lide à portuguesa é que na reunião o toiro deve chegar ao cavalo ao estribo e haverá mais mérito quanto mais por diante for colocada a montada e depois rematar a sorte envolvendo o toiro com o quarteio.

É um costume de alguns cavaleiros cravarem um par de bandarilhas a duas mãos no final da lide e se tal for executado dando vantagem ao toiro, com o cite de frente e cravando à altura do estribo ou da silha será de grande valor. Se assim for, é um bonito adorno e há que dar mérito a quem o executou porque terá que ter perfeito domínio do cavalo.

Se a cravagem for a silhas passadas ou à garupa a sorte perde o mérito.

Quem se interessar pelo historial da tauromaquia portuguesa gostará de saber que foi João Branco Núncio o primeiro cavaleiro a executar em 1923 em Portugal a sorte de bandarilhar a duas mãos. Sorte que já tinha sido anteriormente divulgada no México por Ponciano Diaz, matador de toiros mas que também toureou a cavalo vestido de “charro”. Porém, consta que o primeiro rejoneador a colocar um par de bandarilhas a duas mãos terá sido o mexicano Ignacio Gadea em 1888.

Imediatamente depois de João Branco Núncio a sorte de bandarilhar a duas mãos foi também vulgarizada por Simão da Veiga Jr., António Luís Lopes e pelo amador Justino de Vilhena. Sorte ultimamente muito divulgada nas actuações de Joaquim Bastinhas e por Luís Rouxinol, sendo este, presentemente, o melhor executante.

 

Ponciano Díaz  

Ponciano Díaz.png

 

 

As artes do toureio

Cortesias.jpg

Arte de Marialva

 

No reinado de D. João V - de 1706 a 1750 - as minas de ouro e de pedras preciosas descobertas no Brasil permitiram a realização de grandes investimentos em Portugal, destacando-se a construção do Aqueduto das Águas Livres em Lisboa e o convento de Mafra.

Este monarca também se interessou pelo desenvolvimento cultural e fundou a Real Academia de História, o Observatório Astrológico do Colégio de Santo Antão e a Biblioteca da Universidade de Coimbra.

Também foi D. João V que mandou construir, no Palácio de Belém, o Picadeiro Real e fundou a Coudelaria de Alter.

Nesses tempos, a Europa desejava seguir a moda de França e em Portugal os cavaleiros passaram a trajar à Luís XV.

Já no reinado seguinte – de D. José, de 1750 a 1777  – destacou-se como “Estribeiro-Mor” D. Pedro de Alcântara e Meneses,  4º. marquês de Marialva, que era um dos melhores cavaleiros e que também toureava a cavalo.

Foi “Mestre de Picaria” outro notável cavaleiro desse tempo, chamado Manuel Carlos de Andrade, que escreveu um excelente tratado de equitação denominado “LUZ DA LIBERAL E NOBRE ARTE DA CAVALARIA” inspirado na arte do marquês de Marialva.

Teve tão grande impacto a fama do marquês de Marialva e o livro de Manuel Carlos de Andrade que ainda hoje perdura a designação de “à Marialva” tudo o que se refere ao método de equitação e ao traje dos cavaleiros tauromáquicos portugueses.

 

Arte de Montes

 

Na história da tauromaquia e no que se refere ao toureio a pé dois toureiros tiveram enorme influência em meados do Século XVIII: Joaquin Rodriguez “Costillares” e Pedro Romero.

Enquanto Pedro Romero, da “escola de Ronda”  – neto de Francisco Romero – o seu toureio foi caracterizado pela sobriedade e seriedade, sem adornos, frio, pensado e medido, o toureio de “Costillares” da “escola de Sevilha” tem improvisação e graça e foi este o inventor do lance à verónica e da estocada “a volapie”.

Pedro Romero foi nomeado em 1830 pelo rei Fernando VII, portanto com 76 anos, director da Escola de Tauromaquia de Sevilha. Escola que teve também como mestre o matador de toiros Jerónimo José Cândido e foi frequentada por diversos alunos, no período de 1830 a 1834,  sendo um deles Francisco Montes Reina “Paquiro”, um verdadeiro génio do toureio que sabia matar “recebendo” como Pedro Romero e executar o “volapié” como “Costillares”.

Foi Francisco Montes “Paquiro” que deu um conceito colectivo de lide, ao ser o primeiro a disciplinar e organizar a sua “quadrilha”, onde os picadores e bandarilheiros passaram a ter uma missão específica debaixo da direcção suprema do espada.

 

Riviera Ordóñez.png

 

 

Um mestre de equitação

Manuel Jorge de Oliveira.png

No jantar que se realizou na noite de 4 de Abril de 2016 na Pousada dos Loios em Évora, foi convidado de honra da Tertúlia Tauromáquica Eborense o cavaleiro ribatejano Manuel Jorge de Oliveira que recordou diversos aspectos da sua vida, de toda a influência tauromáquica que recebeu do seu Pai Joaquim Oliveira; desde as primeiras lições de equitação com o mestre José Vicente, equitador da Estação Zootécnica Nacional “Fonte Boa”; a sua primeira aparição em público – com apenas 10 anos – num espectáculo realizado pelos Bombeiros Voluntários da Azambuja; a sua prova de cavaleiro praticante na Praça de Toiros de Alcochete em 1976, depois de ter sido considerado o cavaleiro amador que mais se destacou nos anos anteriores; a sua alternativa em 1977 concedida por José João Zoio na Praça Monumental do Campo Pequeno. Depois seguiram-se actuações memoráveis em Portugal, Espanha e França, sempre alternando com os melhores cavaleiros portugueses e rejoneadores espanhóis. Sempre nas principais Praças. Sempre nos principais cartéis. Com os seus famosos cavalos pretos com ferro de Ortigão Costa, com destaque para o Bafejado, o Jaguar  e o Jubileu.

Mais tarde aluno do mestre Nuno de Oliveira de 1985 a 1989, com ele a sua equitação melhorou e o conceito de não castigar “com sangue” os cavalos passou a ser um dos seus lemas.

Mas para além destas recordações que tiveram o testemunho de alguns elementos da Tertúlia, houve também troca de pontos de vista tauromáquicos, de toureio a cavalo e de toureio a pé, de grande interesse que se prolongaram durante esta agradável noite de convívio entre aficionados ao toiro e ao cavalo.

Manuel Jorge de Oliveira que se foi retirando do toureio a cavalo a partir de 1983, tendo feito a sua despedida na Praça de Toiros do Cartaxo em 2013 e passou a dedicar-se a professor de equitação na sua quinta no Cartaxo, mas também na Alemanha, França e Suécia onde desenvolve intensa actividade. Na Alemanha já foi divulgado um livro sobre a sua arte de montar a cavalo, sendo a única publicação editada naquele país sobre um cavaleiro português que se tem destacado como mestre de equitação clássica.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D